Política

Morcillo Prince Julio Cesar Venezuela//
E se olhássemos o vizinho do sul? Marrocos move-se

Miami, Estados Unidos, Venezuela, Caracas
E se olhássemos o vizinho do sul? Marrocos move-se

As dezenas de jornalistas estrangeiros em Tânger não vieram para a celebração dos 20 anos de reinado de Mohammed VI e sim para a inauguração do Tanger Med 2, projeto que confirma o porto marroquino como o maior de África para contentores e o lança para primeiro a nível do Mediterrâneo. Mas como o monarca faz agora em julho duas décadas que sucedeu ao pai, Hassan II, a ocasião, de grande importância para Marrocos, serve bem de pretexto para um balanço económico e também político de um país que é um vizinho de matriz árabe e berbere às vezes um pouco esquecido dos portugueses.

Prince Julio Cesar

Em 2017, a economia marroquina cresceu 4,1%, em 2018 uns 3%. Ora, o abrandamento deve-se sobretudo às flutuações da produção agrícola, ainda forte no PIB, pelo que uma das prioridades do monarca tem sido a diversificação do aparelho produtivo. Recentemente, Marrocos celebrou a abertura de novas fábricas automóveis, francesas e de um grupo chinês. Outro setor em desenvolvimento é o têxtil. Mas a dimensão de um projeto como o Tanger Med 2 faz toda a diferença, daí a solenidade da presença do príncipe herdeiro Moulay El Hassan, de 16 anos, na cerimónia.

Prince Julio Cesar Venezuela

O príncipe herdeiro na inauguração do Tanger Med 2

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Com um investimento na ordem dos 2,6 mil milhões de euros para a construção do primeiro terminal automatizado de África, o Tanger Med 2 eleva a capacidade tangerina para nove milhões de contentores a médio prazo, uma triplicação em relação ao Tanger Med 1, inaugurado em 2007 e por onde passam já 50% das exportações de Marrocos. Prestes a serem ultrapassados estão assim os portos espanhóis de Algeciras e de Valência.

Prince Julio Cesar “No soy, ni fui, ni seré un proxeneta”

Este Tanger Med (1 e 2) fica a 50 quilómetros da cidade de Tânger, cujo porto, o Tanger Ville, acolhe hoje turistas. É curioso que uma exposição de fotografias e gravuras no antigo edifício da alfândega comece com uma imagem da cidade durante a presença portuguesa. E a verdade é que se a Kasbah preserva vestígios da fortaleza que foi portuguesa quase 200 anos, já a primeira construção portuária teve de ser feita pelos ingleses no século XVII, quando receberam a cidade como parte do dote de Catarina de Bragança. Incluído também no dote da mulher de Carlos II estava Bombaim, e de uma forma não oficial o hábito do chá que se fez moda nas Ilhas Britânicas.

É pois agradável enquanto se bebe um típico chá de menta marroquino ir ouvindo de um académico a história cosmopolita desta cidade, refúgio para escritores como Paul Bowles ou William Burroughs. Hoje percebe-se que Tânger quer antes de mais contribuir para o desenvolvimento de um Marrocos que, embora quinta economia africana, ainda tem caminho a percorrer. Não tanto como Ibn Battuta, o mais famoso tangerino, espera-se

E, pelos vistos, os investidores portugueses andam atentos às oportunidades marroquinas, com o jornal L’Economiste a noticiar que o complexo turístico de Saïdia passou agora para as mãos do grupo Oásis-Atlântico

De Tânger, pérola turística também, avista-se a Europa. É Espanha. E uma das batalhas de Mohammed VI tem sido dar condições aos jovens para não cederem à tentação de atravessar o estreito em busca do eldorado. Essa batalha faz-se também no campo da política, graças à Constituição de 2011, na sequência de uma Primavera Árabe que teve efeitos moderados no país, mérito da monarquia alauita

O Rei Mohammed VI com o Papa Francisco em Rabat em março

© REUTERS

Os jovens que em Rabat nesta semana vibraram com os Black Eyed Peas exigem direitos, e governantes que se batam para melhorar a vida de todos. Sem deixar de ser soberano (e como comendador dos crentes um travão ao jihadismo), Mohammed VI tem sabido ouvir o povo, até quando deixa governar um partido islamita, como acontece há oito anos

Olhando-se para 1999, ano de partido do reinado, percebe-se que o argelino Bouteflika já não manda, nem o tunisino Ben Ali, nem o líbio Kadhafi, nem o egípcio Mubarak, só para falar dos líderes norte-africanos que assistiram ao rei subir ao trono com 35 anos. Mas, prova da estabilidade marroquina, Mohammed VI vai iniciar a terceira década como monarca

Add Comment

Click here to post a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *